O que aprendemos com o FUTEBOL e podemos aplicar no MARKETING?

O marketing e o FUTEBOL

Porque será que as pessoas se envolvem tanto emocionalmente com times de futebol. O termo “vestir a camisa” se popularizou como jargão de comprometimento. Funcionário bom é o que “veste a camisa da empresa”.

A questão é que as pessoas amam futebol, literalmente. Mudam de esposa, mas não mudam de time. Mudam de sexo mas não mudam de time. O que o futebol entrega de tão relevante para receber em troca uma fidelidade tão poderosa? Como podemos utilizar este mesmo gatilho no marketing?

O Dr. Scott Bea (Cleveland Clinic) afirma que nossos neuronios jogam (literalmente) junto com os jogadores. No fundo, nos sentimos participantes do jogo. Isso começa desde a infância, quando somos convencidos de que o nosso time representa valores importantes para nós como paternidade (o time do papai), naturalidade e nacionalidade (nosso time representa nossa tribo, cidade, nação, geografia).

Alguns gatilhos que o futebol usa e podem ser aplicados no marketing em qualquer outro segmento:

1. Pertencimento: todo ser humano precisa se sentir aceito em um grupo, em uma bandeira. O vestir a camisa de um time, o torcedor se sente parte de algo maior do que ele mesmo. A Apple criou um marketing semelhante, colocando a famosa Maçã como símbolo de algo maior. Não basta ter um bom equipamento, é preciso ter a “maçã”.

2. Herói: todo torcedor tem seus heróis. Seja Cristiano Ronaldo, Maradona… o herói do time fala muito mais do que o próprio time. Da mesma maneira muitas empresas exploram a persona de seus CEOs em suas publicidades. Este é o princípio do P2P (pessoa atrai pessoa). As pessoas querem ter um modelo a se inspirar.

3. Inimigo em comum: Todos nós temos inimigos, e nos sentimos confortáveis em estar perto de grupos que tem o mesmo inimigo que nós. O futebol é muito mais do que torcer a favor; é torcer contra, é ter um rival, um anti-herói, um inimigo em comum. No marketing também pode se explorar este gatilho. Um exemplo clássico é a eterna “guerra” entre McDonnalds e Bobs, Coca-cola e Pepsi.

4. Vitória: Uma pessoa pode viver uma vida de derrota, e mesmo assim se sentir poderosamente compensada, ao participar de um grupo ou projeto vitorioso, ainda que indiretamente. Vemos o nosso time como extensão de nosso sucesso. Quando um time perde, eles perderam. Quando empata, nós empatamos. Mas quando ganha: “eu ganhei!”.

Sua empresa já aplica estes gatilhos de pertencimento, heroismo, inimigo em comum e vitória? Como poderíamos explorar estes gatilhos para aumentar as vendas de seus produtos e a autoridade de sua marca?

Vamos conversar sobre isso? Entre em contato conosco e agendamos um bate papo!

Ricardo Ribeiro
Analista e consultor em marketing
www.iecdigital.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *